domingo, 14 de fevereiro de 2016

Escola para autistas é fechada do dia para a noite e pais são avisados pelo celular

A mãe da matéria diz: "Nós mães de autistas somos preparadas para sermos humilhadas".
Quando me perguntam como é incluir um filho com autismo na sociedade, sempre respondo que É MENDIGAR COMPAIXÃO!
A inclusão é muito ampla. É além de levar o filho à escola regular. Comprar um pãozinho na padaria pode ser um desafio gigante se as pessoas não conhecem sobre a síndrome.
Não acredito que a escola regular substitua a escola especial. Precisamos das duas. Canso de implorar por apoio visual. Canso de insistir por acessibilidade.... Quando pedimos para antecipar acontecimentos para os nossos filhos, é algo muito sério... Quebras de rotina precisam ser antecipadas ou eles se desorganizam... Somos nós mães que os amparamos nestes momentos.
A convivência é possível sim! Ninguém precisa viver segregado, mas precisamos que as pessoas que não enfrentam limitações sejam mais flexíveis e parem de exigir essa flexibilidade das pessoas que enfrentam limitações.
É muito triste implorar por um olhar humano. Pedir que leiam a respeito, que entendam.. As coisas não funcionam para as pessoas com autismo da mesma forma que para as outras e coisas simples como as que citei: apoio visual, antecipar, podem fazer toda a diferença. Porém, a sociedade não entende...
A luta que nós mães travamos hoje, talvez não seja para os nossos filhos colherem, mas para as pessoas com autismo que chegarão e mesmo assim vale a pena! A lembrança que as nossas crianças típicas terão de como são tratadas as pessoas com deficiência virá nítida se um dia, assim como eu, se tornarem adultos que viverão esta realidade. Por isso, a inclusão social (escola, farmácia, mercado, etc) é um compromisso de todos nós!




fonte AQUI!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Congresso Nacional on-line e gratuito de Autismo

Congresso Nacional on-line e gratuito de Autismo!

FAÇA SEU CADASTRO AQUI!!

O evento ocorre nos dias 14 à 20 de março.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Escolas públicas vão testar método da Escola da Ponte, sem aulas e provas, no Mato Grosso do Sul

Inspirados pela Escola da Ponte, em Portugal – pioneira e referencia nos métodos de ensino experimentais – as escolas irão abolir a divisão por disciplinas, as provas, as lições expositivas, e transformar os professores em orientadores de estudo, auxiliando nas pesquisas e seus desdobramentos. A divisão por séries também será alterada: cada aluno avança de acordo com seu tempo de aprendizado, suas demandas e especificidades.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Autismo e as crises

Este é o lado mais difícil que o autismo nos trouxe...
O preconceito dói, mas este tipo de sofrimento sem entender a causa e muitas vezes não conseguindo ajudar, é um momento de muita dor, tristeza, sofrimento... Não encontro palavras para descrever o que é viver isso... O meu desejo como mãe, é poder trocar de lugar e não deixar que meu filho sinta ansiedade, medo ou incompreensão de seus desejos e vontades devido a sua falta de comunicação.
As pessoas recuam, nos julgam, o julgam... Não há nada que possamos fazer... .... É muito dolorido...
É o momento em que a pessoa com autismo e suas famílias mais precisam de apoio e compreensão, mas geralmente a resposta da sociedade é contrária.
Fico feliz que existem cães sendo treinados para ajudar a superar essas crises. 

Porém, a incompreensão é tanta que esta moça em um momento de crise foi morta a tiros pela polícia!



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Lindo Curta animado inspirado em tirinha brasileira

Perfeição é o nome da história criado pelo brasileiro Fabio Coala. A tirinha viralizou o ano passado chegando a ganhar um curta metragem que foi exibido em mais de 180 festivais ganhando mais de 50 prêmios. Agora você pode assistir ela pela internet.



terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Pai cria primeiro parquinho adaptado para crianças deficientes em homenagem à sua filha

Nomeada de Anna Laura Parques para Todos, o pai recebeu ajuda de terapeutas, engenheiros e arquitetos voluntários para desenvolver os quinze brinquedos disponíveis no local.
“É emocionante poder ajudar o próximo por meio de uma homenagem à minha filha”, finaliza.

A inclusão que ensina

 Como é bom encontrar histórias assim...

"O rompimento com práticas e conceitos antigos marcou também o início do trabalho de Hellen. Ela sabia que precisaria inovar se quisesse que Matheus aprendesse".