sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Sem acompanhantes, alunos autistas estão fora da escola


Falta de cuidadores em escolas de Caxias do Sul, RS, é debatida em audiência pública

Nossas crianças com direito à educação ferido!
Deficientes em Caxias do Sul pedem SOCORRO em seus direitos! Direito à educação! Direito à inclusão!

MP pede explicações sobre a falta de monitores nas escolas municipais de Caxias do Sul


A promotora regional da Educação, Adriana Cruz da Silva, deu prazo de cinco dias para a prefeitura informar quantos monitores estão atendendo crianças e adolescentes com algum tipo de deficiência nas escolas municipais de Caxias do Sul.

O pedido foi encaminhado após o Ministério Público (MP) receber reclamações sobre a falta de acompanhamento dos alunos especiais em sala de aula.
A secretária da Educação, Marléa Ramos Alves, informou ao MP que já há uma empresa definida para prestar o serviço. Contudo, o resultado da concorrência está sendo questionado por meio de recurso na Central de Licitações.
A secretaria também convidou professores, de forma emergencial, para exercer temporariamente a função de monitores até a solução do impasse na licitação.
Atualmente a rede municipal de ensino tem 40 mil alunos. Deste total, cerca de 300 precisam de monitoramento especializado em 66 escolas. Às 8h desta sexta-feira, o assunto será debatido em audiência pública na Câmara de Vereadores.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

URGENTE!!! Audiência Pública em Caxias do Sul sobre ausência dos monitores para crianças com deficiência nas escolas


Audiência Pública da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Segurança da Câmara de Vereadores, presidida pela Vereadora Denise Pessôa-PT

Dia 28/02/2014 - sexta-feira - às 8h, na Sala das Comissões da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul.
Tratar sobre a falta de monitores nas escolas.

Pais reclamam da falta de monitores para atender crianças especiais em Caxias do Sul


Amei a matéria da RBS!

Mostrou a realidade dentro da escola! Mostrou as necessidades das crianças e como os professores tentam se desdobrar para atender as necessidades de todos!
Existe dúvida que o prejuízo é de todos?


Reunião com Chefe de Gabinete do Prefeito sobre os monitores nas Escolas de Caxias do Sul


Em reunião tensa com o Chefe de Gabinete do Prefeito, Manoel Marrachinho se retrata pedindo desculpas às mães pelo ocorrido. Promete que estarão resolvendo em caráter emergencial a situação, e que o serviço de monitoria irá continuar de igual forma ao que era disponibilizado antes. Porém, dispara: "Facebook é que nem boteco, lugar de conversa de tchuco" - referindo-se às manifestações através das redes sociais. Também menciona que o caso se tornou estopim para o ataque de um verdadeiro vespeiro de interesses políticos e financeiros. A Secretária da Educação Marléa Ramos Alves se faz presente, e se diz profundamente triste com as acusações lançadas acerca de sua não participação na reunião ontem na câmara - "estou sendo taxada de insensível, e isto não é verdade". Amanhã ocorrerá a mais importante audiência para resolução do caso, quando a Comissão de Direitos Humanos se reunirá na câmara de vereadores às 8 horas, juntamente com os pais e a população para apresentar as medidas definitivas.  - Por Manoela Schmitt.

Dito e Feito Debate - Rádio São Francisco


Falta de monitores para acompanhamento de crianças com deficiência em Caxias do Sul. Esse foi o tema do programa de hoje com a apresentação de Ronaldo Velho Bueno e convidadas Ana Paula Pacheco, Manoela Schimitt e Luiza Aparecida Palhano.

Relatamos neste programa o descaso que está acontecendo com a educação no município de Caxias do Sul- RS. A falta de monitores prejudica não apenas as crianças com deficiência, mas a todos! Uma professora jamais conseguiria oferecer qualidade de ensino diante desta vergonhosa realidade!
A educação é um direito de todos! Uma Lei Federal garante a pessoa com deficiência, comprovada necessidade de um auxiliar capacitado para acompanhá-la na escola!

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Julia representa TODAS as crianças com seu direito à educação ferido de Caxias do Sul! Julia representa o meu filho Ângelo!

Hoje a Julia foi reconhecida na rua, por uma frentista. Quase morri de orgulho de ser mãe dessa menina. O nome dela é Julia, mas também poderia ser João, Pedro, Ângelo, Maria, Gabriela, entre tantos outros perdidos por aí, sofrendo o mesmo descaso por parte do Estado. Descaso este que também recebe respaldo dos olhos vendados de boa parte da sociedade. Estamos aqui para lembrar-lhes do pior tipo de injustiça, aquela que é cometida contra o mais fraco, contra aqueles que não tem condições de se defender sozinhos. Alguém está salvo do dia de amanhã? Não está! Por isso está na hora de colocar a mão na consciência e se posicionar um pouco no lugar do outro! Você, pai e mãe, que tem filhos "normais", gostaria que seu filho sofresse de alguma condição que o tornasse incapacitado para interagir e viver? E sofrendo desta condição, gostaria que ele fosse rejeitado onde fosse, impedido de interagir com a sociedade? Gostaria que ele fosse recebido com descaso ao necessitar de algum exame, de algum tratamento de saúde? Até onde você, pai e mãe, iriam para defender os direitos e a integridade de seus filhos? Para refletir....
Manoela Schmitt

Famílias questionam falta de cuidadores de alunos especiais nas escolas municipais de Caxias do Sul

Preciso parabenizar a matéria do Adriano no jornal Pioneiro que relata a realidade que estamos vivendo em Caxias do Sul! 
Manoela é uma grande amiga e representou muito bem todas as mães de filhos com deficiência do nosso município!


A Secretaria Municipal da Educação (Smed) admite que alunos especiais estão sem monitoramento em sala de aula apesar das exigências da lei de inclusão. O problema surgiu com a suspensão temporária de uma licitação para a contratação de cuidadores na escolas municipais de Caxias do Sul.
A expectativa era contar com o serviço no início do ano letivo, o que não será mais possível. Para atender toda a rede municipal, seriam necessários pelo menos 150 profissionais para cerca de 300 crianças e adolescentes.
A alternativa para suprir a falta desses trabalhadores foi ampliar a carga horária de professores dispostos a acompanhar o estudante com algum tipo de deficiência. Os docentes exercerão a função até a solução do impasse na licitação.
A falta de monitoramento não abrange todos os alunos especiais, garante a Smed. Mas quem ficou de fora reclama dos transtornos. Júlia, seis anos, foi matriculada pela primeira vez em uma escola do município, a Luiz Antunes, no bairro Jardim América. A menina enfrenta dificuldades para ser incluída em escolas desde pequena.
Portadora de uma síndrome não diagnosticada, a criança depende de supervisão constante:  Júlia não fala e tem problemas psicomotores complexos. Nesta semana, os cuidados em sala de aula ficaram a cargo da mãe dela, Manoela Schmitt, 34.  O colégio ainda não tem monitor para a criança. Manoela já abandonou o trabalho para se dedicar à filha e teme complicações.
— A escola demonstrou bastante interesse e disse que a situação será resolvida. Mas me recuso a levá-la se a integridade for colocada em risco. É um direito dela estar estudando e o Estado deve facilitar a inclusão — enfatiza a mãe.
Assim como Manoela, outras mães e pais estão sendo informados pelas direções de que alunos ficarão sozinhos ou serão parcialmente atendidos por enquanto. Ontem, um grupo de mães procurou o Ministério Público (MP) para pedir providências. Elas também agendaram reunião com a Smed no dia 25 de fevereiro.
— É uma demanda crescente e o quadro ideal oscila entre 150 e 200 cuidadores. Estamos realizando a seleção dos professores voluntários desde a semana passada e pretendemos encerrar neste sábado — pondera a diretora administrativa da Smed, Elaine Bortolini.
Até o ano passado, o acompanhamento de alunos especiais era responsabilidade de uma entidade que prestava serviço ao município. Com o fim do convênio em novembro, o município recorreu a uma nova licitação. O primeiro edital foi suspenso por liminar. O segundo certame teve vencedor mas também está sendo questionado por uma concorrente por meio de recurso, o que emperrou a contratação.
Secretária de Recursos Humanos e Logística, Jaqueline Bernardi informa que a Central de Licitações tem até a próxima semana para homologar o recurso. Se a decisão inicial for mantida, o monitoramento nas escolas deve ser regularizado em 30 dias. Caso contrário, o trâmite se arrastará por tempo indefinido.
— Alguns alunos podem estar sem cuidadores mas está sendo regularizado. Também estão ocorrendo novas avaliações por parte de uma equipe multidisciplinar da Smed, onde estudantes devem receber alta do monitoramento e outros não — diz a secretária da Educação, Marléa Ramos Alves.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Habilidade única tranforma homem com Autismo em empreendedor

Canadá – Um homem de Edmonton com autismo severo pode não ser capaz de ler ou falar, mas Brad Fremmerlid tem um dom para algo que muitos de nós encontramos frequentemente tedioso e difícil.
“Eu poderia dar-lhe um complexo projeto LEGO Technic de até 1.000 peças, com mais de 100 páginas de instruções e sem qualquer tipo de ajuda, ele vai simplesmente abrir a caixa, passar as instruções, e vai construí-lo perfeitamente”, disse seu pai, Mark.
Brad tornou-se um especialista em leitura de diagramas de instrução e construir coisas depois de anos de prática.
“Quando era mais novo, sempre tivemos que mantê-lo ocupado, então eu tive a ideia de construir modelos. E eu pensei que a melhor terapia para ele desenvolver sua mente fosse a de construir sempre algo diferente. “
Depois de construir cerca de 2.000 projetos ao longo dos últimos 20 anos, a 24 anos de idade, já começou a construir para os outros através de sua empresa, “ Feito por Brad “.
Sonya Thompson se tornou uma de suas clientes depois de ver um vídeo mostrando seu trabalho no Facebook.
 É sábio o conselho para sempre ser você mesmo e desenvolver o máximo de seus talentos. É exatamente isso que um jovem Edmonton, vivendo com autismo está fazendo, usando suas habilidades para construir um negócio de móveis.
Ela diz que ele veio para montar seu armário e em cerca de duas horas e meia, algo que seria quase que impossível para ela e que consumiria seu final de semana todo, estava montado!
“Então, é muito bom ter alguém que gosta do que faz e sabe aplicar isso na prática.”
Sonya Thompson ficou tão impressionada com a mão-de-obra de Brad que ela lhe pediu para voltar e montar outro móvel.
O pai de Brad diz que o negócio não é sobre como ganhar dinheiro, pois ganham apenas de $10 à $20 dólares por trabalho. É mais sobre a doação de seu filho a oportunidade de contribuir para a sociedade, e expandir sua mente.
Ninguém nota que ele é Autista, parece uma pessoa comum. Sony Thompson disse que notou pequenas diferenças de Brad somente durante sua segunda visita a sua casa.
“Somente nas últimas vezes é que tive um bom contato visual com ele e até obtive um sorriso. Até mesmo agora, começou a se interessar pelos meus gatos que tenho de estimação, o que não ocorriam nas primeiras visitas.” Comenta Sonya.
Seu pai diz que, embora eles realmente não têm um objetivo final, eles estão desfrutando das viagens até agora.
 ”Toda vez que ele completa um novo desafio, acho que ele se sente melhor sobre si mesmo”, disse ele. ”E ele está cada vez mais curioso sobre o mundo.”
Veja mais e conheça, assista o vídeo abaixo:



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Dia 15 de Fevereiro - Dia Internacional da Síndrome de Angelman


Sem amigos, menino reúne 880 mil em página de aniversário

MICHIGAN - Um menino que disse à sua mãe não ter ninguém para comemorar seu aniversário tem agora mais de 880 mil amigos no Facebook prontos para lhe desejar um feliz aniversário.
Colin, de 10 anos, tem um transtorno de sensorial semelhante à síndrome de Asperger, o que afeta suas habilidades sociais e tornou difícil para ele manter amizades na escola.
Sua mãe Jennifer, de Michigan nos EUA, ficou então determinada a tornar o aniversário do filho especial depois que ele contou que não tinha amigos para convidar para uma festa.
Ela criou uma página do Facebook “Colin faz Onze” ('Colin is Eleven'), em 2 de fevereiro, que recebeu quase 900 mil curtidas em menos de duas semanas. Na página, ela convida as pessoas a enviar bons desejos ao seu filho no dia de seu aniversário, em 9 de março.
Jennifer criou uma caixa postal, especificamente para receber cartas e mensagens para o aniversário de Colin.
Ela disse que o menino lancha sozinho na escola todos os dias porque ninguém deixa ele se sentar perto, e “em vez de forçar alguém a se sentir infeliz com sua presença, ele se senta sozinho”.
“Então eu pensei que, se eu pudesse criar uma página onde as pessoas pudessem mandar pensamentos positivos e palavras de incentivo, seria melhor do que qualquer festa de aniversário. Juntem-se a mim para fazer meu filho muito original se sentir especial no seu dia”, escreveu ela.
Colin ainda não tem consciência da enorme campanha de mídia social em torno dele, apesar de as crianças da escola, terem dito que o viram na TV. Jennifer pediu para as pessoas tomarem cuidado para não revelarem a surpresa.
“Várias crianças na escola disseram que o viram no noticiário, e ele ouviu um professor dizer a outro professor que o viu no Facebook”, escreveu ela. “O pai de Colin e eu fomos capazes de explicar isso às pessoas, mas por favor, tenha cuidado se você conhece Colin na vida real. Obrigado!”
Jennifer prometeu para filmar a reação de Colin no dia de seu aniversário.


FONTE AQUI!!


sábado, 8 de fevereiro de 2014

Autismo: um guia para a equipe escolar


Este caderno traz uma tradução / adaptação de Autism spectru, disorders - A resource pack for school staff, originalmente publicado por The National Autistic Society (Reino Unido).
Os direitos de tradução para o uso no Brasil foram cedidos à Associação Mantenedora Pandorga.


Para adquirir “Autismo: um guia para a equipe escolar”


Procedimento de encomenda e envio:
a) envie um e-mail para Pandorga Formação, indicando endereço e quantidade 
b) Pandorga Formação lhe informará o custo total (nº de exemplares + despesas postais) 
c) faça o depósito e mande cópia do comprovante à Pandorga Formação (anexado a um e-mail), 
d) recebido o comprovante, a Pandorga Formação lhe enviará a encomenda de exemplares desejada;

Endereço de Pandorga Formação 

Rua Euclides da Cunha, 125
Bairro Jardim América
São Leopoldo/RS 
CEP 93032-160
pandorga.formacao@terra.com.br 

Para obter mais informações sobre nossas publicações e cursos, visite nosso site: www.pandorgaautismo.org







Meu bebê conta: o desenvolvimento com síndrome de down

O casal Bianca e Daniel compartilha algumas de suas experiências e emoções na criação de um filho com síndrome de down.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Bullying - Uma realidade que não deve ser ignorada!

Garoto de 11 anos tenta se matar após sofrer bullying!

O motivo do suicídio foi cruel: Michael sofria constante bullying na escola por ser fã do desenho animado Pequeno Pônei, criado em 1983. Segundo os colegas, o programa só poderia ser apreciado por garotas.
O padastro de Michael, Shannon Suttle, defende o desenho porque ele ensina valores morais às crianças.



Meu bebê conta: autismo

O YouTube Meu Bebê conta a história da Andrea Ribeiro e sua trajetória na descoberta do autismo de sua filha Nina. Andrea compartilha como identificou os primeiros sinais, o tratamento desenvolvido e o emocionante progresso de Nina com as atividades escolhidas. Inspire-se!