sábado, 31 de maio de 2014

Indra lança plataforma para ajudar no aprendizado de pessoas com autismo

A empresa de consultoria Indra anunciou nessa segunda-feira (15) o lançamento de uma plataforma educativa para pessoas com Transtornos do Espectro Austista (TEA). Por meio do uso de realidade virtual, a plataforma visa ajudar em aspectos como aprendizado básico, melhor conhecimento do entorno e habilidades de comunicação. 
O protótipo experimental, desenhado para seu uso em PC com a ajuda da tecnologia Kinect, já está disponível para download gratuito no site de Tecnologias Acessíveis da empresa.
A plataforma, denominada SAVIA (Sistema de Aprendizagem Virtual Interativa para pessoas com autismo e dificuldades de Aprendizagem), é fruto de um projeto de P&D liderado pela Indra e no qual também participaram o Grupo de Autismo e Dificuldades de Aprendizagem da Universidade de Valência, na Espanha, e a consultora digital Secuoyas. 
Para assegurar que a solução se adapte às necessidades reais dos usuários, a empresa também contou com a colaboração de diferentes organizações, como a Associação Autismo de Ávila e a Fundação Adapta, tanto para colher informações como para a validação das ferramentas. O projeto faz parte do subprograma Avanza Competitividad I+D+i do Ministério da Indústria, Turismo e Comércio espanhol.
O projeto
A linha pedagógica da SAVIA e a definição das ferramentas foram projetadas para apoiar a intervenção formativa e educativa que profissionais e familiares realizam com as crianças autistas. Para tanto, foram identificadas as habilidades-chave afetadas no desenvolvimento da criança autista a partir de um profundo estudo bibliográfico. Também foram analisados os programas de intervenção que contam com maior eficiência demonstrada na melhora destas habilidades, dando lugar a sua versão eletrônica.
Os games desenvolvidos para esta plataforma são a grande atração para as pessoas com TEA, os quais permitem trabalhar diferentes aspectos. Tudo isso foi possível graças às enormes possibilidades que as tecnologias inovadoras permitem na SAVIA.
Aprendizagem pelo jogo
A SAVIA conta com três grupos de games diferenciados que trabalham aspectos específicos. O primeiro deles, "Aprender a aprender", se apóia em princípios fundamentais da intervenção no autismo como estrutura visual, a claridade visual, o aprendizado escalonado e os pictogramas. 
No jogo "Conhecendo o entorno" são aproveitadas as possibilidades da realidade virtual para que a criança possa manipular o entorno visual e, desse modo, aprender conceitos básicos visuais e espaciais (formas, tamanhos, cores, posição, quantidade, entre outros).
Uma vez dominada a estrutura visual e os conceitos básicos, a SAVIA oferece um completo jogo para a intervenção na Comunicação referencial, uma ferramenta colaborativa que pretende servir de complemento a outros programas, sejam tecnológicos ou não, que se encontram orientados a favorecer o desenvolvimento da comunicação em crianças com TEA.
Testes
Em uma avaliação preliminar, todos os jogos foram testados com crianças de desenvolvimento típico e por pessoas com autismo e outras deficiências intelectuais, com resultados claramente positivos. A facilidade do uso, a maior velocidade de aprendizado que no entorno real e a menor probabilidade de erro são algumas vantagens mostradas pelo protótipo experimental.
A ferramenta continuará sendo avaliada pela Associação Autismo de Ávila, mas está a disposição da sociedade de forma livre. Assim, pessoas e instituições podem se interessar e colocar suas sugestões e considerações com o objetivo de seguir aprimorando a solução.
Graças a SAVIA, as pessoas com TEA podem trabalhar em um ambiente que lhes seja agradável, controlado e compreensível, para potenciar suas habilidades e desenvolver aquelas que tenham mais problemas, melhorando no possível sua qualidade de vida. As famílias contam com um elemento para colaborar ativamente no desenvolvimento de seus filhos, facilitando o aprendizado de maneira simples, acessível e facilmente compreensível.
Para os profissionais, uma ferramenta como a SAVIA, com interfaces e conteúdos altamente configuráveis e adaptáveis a cada pessoa, facilita seu trabalho e aumenta sua eficiência, ao reduzir o tempo que dedicam para preparar materiais reais equivalentes aos oferecidos nos jogos virtuais.
Compromisso com as Tecnologias Acessíveis
O projeto SAVIA está alinhado ao compromisso da Indra com o desenvolvimento de Tecnologias Acessíveis, soluções e serviços inovadores que facilitam o acesso à tecnologia e a integração social e laboral das pessoas com deficiência.
Como parte de sua responsabilidade corporativa, a Indra já desenvolveu mais de 40 projetos de P&D e conta com 12 Cátedras de Investigação em Tecnologias Acessíveis em colaboração com diferentes universidades, associações e fundações, como a Fundação Adecco, na Espanha. A iniciativa tem um alcance internacional, tanto pelo próprio impacto global das soluções desenvolvidas, como pelo desenvolvimento de cátedras na Argentina e México, e a colaboração com 48 instituições do conhecimento em 18 países.

Google lança plataforma online Sala de Aula para ajudar professores

Novidade permite que educadores criem e recebam lições, além de organizar pastas específicas para cada aluno no Drive. Recurso chega oficialmente em setembro.
O Google anunciou nesta segunda-feira, 6/5, o lançamento de uma plataforma online gratuita para ajudar os professores a terem mais tempo e, consequentemente, também melhorar o aprendizado dos alunos.
Espertamente chamada de Sala de Aula, a novidade permite que um professor crie e receba tarefas, melhores a comunicação com a sua classe, crie pastas no Google Drive para cada aluno visualizar suas lições e, assim, melhorar a organização do ensino. Com isso, a intenção da gigante de buscas é otimizar o tempo dos professores para que eles “possam ser melhores educadores e evitar o trabalho pesado”. 
De acordo com um post sobre o assunto, o Google passou 2013 trabalhando juntamente com professores e educadores para entender melhor como simplificar seus fluxos de trabalho. Até o momento, a empresa tem trabalhado com cerca de uma dúzia de escolas e universidades em uma espécie de projeto piloto.
O lançamento do preview da plataforma nesta semana acontece em razão do Teacher Appreciation Day, data comemorada nesta segunda nos EUA. A chegada oficial do Sala de Aula acontece em setembro. A plataforma poderá ser usada por professores de qualquer instituição que use o Google Apps for Education.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Audiência sobre o serviço de monitoria para crianças com deficiência na escola regular municipal de Caxias do Sul - RS

O ano letivo iniciou, material escolar novo, uniforme, tio da van buzinando na frente da escola (para aqueles que usam transporte coletivo) e uma grande surpresa: não haviam monitores para acompanhar as crianças com deficiência nas escolas.
Esta situação afeta não apenas os direitos das crianças com deficiência à educação, mas o direito de todos, pois desqualifica de forma significativa a qualidade de ensino.
Em função desta realidade, situações muito graves ocorreram com nossas crianças:
  • Cadeirante que dependia de transporte público, não conseguia ingressar na escola;
  • Criança desassistida dorme no chão puro da sala de aula sem nem mesmo ser oferecido um colchonete;
  • Criança que não sabia se posicionar em fila, ficou esquecida no pátio;
  • Adolescente cadeirante tendo suas fraldas trocadas por vice-diretor homem;
  • Criança com dificuldade de usar bebedor, toma água do vaso sanitário;
  • Criança é encontrada fora da escola seminua;
  • Criança é esquecida no pátio da escola e fica exposta à chuva

domingo, 18 de maio de 2014

Dia da Mulher - Apelo ao Direito à Educação! Direito à Inclusão!



No dia 08 de março, Dia da Mulher, mães se reúnem na Praça Dante Alighieri Em Caxias do Sul - RS fazendo apelo ao direito à educação dos filhos com deficiência.


Faixas e panfletos confeccionados com dinheiro do próprio bolso a fim de esclarecer à sociedade que as deficiências fazem parte deste mundo e se faz necessário o apoio de todos para que os mais fragilizados não sejam ignorados em seus direitos.



Mães, familiares, apoiadores e as próprias crianças com deficiência apelavam ao direito de frequentar a escola de forma digna, respeitando sua condição e não colocando em riso sua integridade física e moral.












Monitores nas escolas é tema no Legislativo em Caxias do Sul - RS


sábado, 10 de maio de 2014

Feliz Dia das Mães!

Fica minha homenagem a todas as mamães, as quais não existe guerra que as façam desistir de seus filhos! As quais jamais os abandonam e sempre oferecerão todo o seu amor: amor incondicional!

'Presença da mãe é essencial', diz Temple Grandin símbolo da luta contra autismo

Quem assiste às palestras da professora Temple Grandin, de 67 anos, não imagina que na infância ela não se relacionava com outras pessoas e só pronunciou a primeira palavra aos quatro anos de idade. Diagnosticada autista grave, Temple formou-se em veterinária, fez pós-doutorado na área e é especialista em ciências animais. Os passos para a nova vida foram dados graças à ajuda da mãe, que a incentivava a ter uma rotina normal. “Se não fosse pela dedicação dela, talvez eu não chegasse onde estou.”
Nascida em Boston, nos Estados Unidos, Temple foi diagnosticada ainda criança com grau considerado grave de autismo. Os médicos indicaram internação em uma clínica psiquiátrica, decisão que dividia a família, já que o pai concordava, mas a mãe optava por uma educação inclusiva. "Sempre que alguém nos visitava, minha mãe me obrigava a receber o convidado, dar a mão para cumprimentá-lo, pegar o casaco, conversar e ficar com todos na sala. Isso fez com que eu aprendesse um comportamento novo, algo que não conhecia."
A insistência da mãe em fazê-la conviver com outras crianças e ensiná-la que a doença não a deixava diferente das outras pessoas, conseguiu mudar o jeito de Temple ser e pensar. Hoje, a veterinária viaja o mundo transmitindo os mesmos ensinamentos aos pais de crianças autistas. Para ela, o apoio da família - e, principalmente, das mães - é fundamental na formação e na evolução do filhos.
“O pai e a mãe têm que perceber o comportamento das crianças, têm que sentir se há alguma coisa errada. Por isso, a presença da mãe é essencial. Não pode ficar só jogando videogame. Elas precisam sair, ver e viver o mundo", afirmou a professora, cuja história de superação virou tema de filme lançado em 2010 e que conquistou o Emmy - considerado o oscar da TV norte-americana - em cinco categorias.
Desenvolvimento

Ainda segundo Temple, os pais devem incentivar os filhos autistas a praticarem atividades culturais, para o desenvolvimento cognitivo das crianças. A professora relembrou que aos oito anos, a mãe percebeu sua vocação para as artes e a fez participar de aulas de pintura e trabalhos manuais na própria escola onde estudava. Aos 14 anos, Temple também foi levada pela mãe para uma fazenda e foi nessa oportunidade que teve a ideia de desenvolver o que ela chama de "máquina do abraço", ao observar como as vacas eram vacinadas.

"Os animais eram colocados em um corredor com barras de ferro, que se fechavam. Eles não se machucavam e ficavam tranquilos. A pressão ajudava a acalmar os bichos. Eu gostei e tive a ideia de copiar isso, criando a máquina do abraço. Eu controlava a pressão da máquina e ficava ali até 20 minutos", afirma.
Em uma rápida visita pelo Brasil, Temple esteve em Ribeirão Preto (SP) e afirmou que o autismo não deve ser encarado pelos pais e pela sociedade como um obstáculo. "Existem dois tipos de cérebro: um social e outro pensante. Aqueles que têm cérebro social, estão por aí, passeando e socializando. Os pensantes, são capazes de fazer criar coisas geniais."

Aprende-se brincando







Respeito às diferenças e acessibilidade são lições que se deve aprender desde cedo, brincando. Talvez assim, no futuro, tenhamos melhores gestores e administradores públicos